Pular para o conteúdo

Mulher Realizada, Minha história

O artigo e vídeo de hoje é muito especial, pois quero compartilhar com todas vocês uma pouca da minha história que mostra como me tornei uma mulher realizada.

E o que significa ser uma mulher realizada. Hoje posso afirmar ser realizada significa ter mais tempo para as pessoas que amo e também fazer o que amo.

Realizada também significa olhar me no espelho de me achar bonita como sou. Ser uma mulher realizada é ter saúde mental, física e emocional.

E para você o que é ser uma mulher realizada? Você se sente realizada? Qual é o seu nível de realização de 0 – 10?

Então fiquem comigo até o final, pois irei fazer um super convite para todas vocês que estão lendo esse artigo.

E o artigo de hoje será:

  • Quando comecei a me SENTIR realizada?
  • Antes da REALIZAÇÃO
  • QUANDO e COMO começou a mudança?
  • E AGORA? O que fiz com o que descobri?
  • Como eu AJUDO MULHERES a serem realizadas?
https://www.youtube.com/watch?v=e9Gteu_k3Tk&feature=youtu.be

Quando comecei a me sentir realizada?

Eu consegui sentir me uma mulher completamente realizada depois que eu mudei meus focos. Hoje sou realizada pessoalmente, sei quem eu sou, aceito quem eu sou e sei onde quero chegar.

Sou realizada profissionalmente, encontrei a profissão que faz total sentido como instrumento de doação dos meus talentos em prol do outro.

Sou realizada financeiramente, consegui resolver a relação negativa que tinha com o dinheiro, conquistei a minha autonomia.

Sou uma mulher que aprendeu a importância do caminho do meio para sentir me em Equilíbrio.

Sou realizada nos meus relacionamentos familiares e de amizade. Sou realizada no meu relacionamento amoroso, são 25 anos de parceria. Sou realizada como mãe e todos outros papéis que tenho.

E vejam! Não é dessa maneira que todas nós desejamos viver? Mas nem sempre foi assim comigo.

Antes da REALIZAÇÃO

Em 2012 eu fui morar nos USA, essa seria a minha terceira experiência de morar fora do pais. Porém, tinha algo diferente desta vez, eu era sócia de um projeto que estava incubado no parque tecnológico da Universidade Federal de Viçosa – UFV para virar uma empresa.

Esse projeto era super bem visto e elogiado por todos que conheciam a ideia. Neste momento eu tinha a mais absoluta certeza que eu tinha me encontrado profissionalmente e que daquele momento em diante eu seria finalmente uma mulher realizada. Porém, não foi isso que aconteceu, dois meses depois que eu estava nos USA a nossa sociedade se desfez.

Eu sofri muito, aos 43 anos de idade eu me via na estaca zero, sentia ainda mais perdida, desmotivada, sem rumo e sem qualquer esperança ou perspectiva de que eu pudesse naquela idade sentir realizada profissionalmente e o pior eu estava colocando em risco as outras áreas da minha vida que eu era realizada, comecei a culpar o casamento, filhos, idade… naquela época eu voltei a não ter clareza profissional, sem dinheiro, baixa autoestima, frustrada, a deriva sem destino, total dona de cada, nada de errado ser uma dona de casa, mas isso se tornou naquele momento um motivo de reclamação e sofrimento. O que piorava a minha sensação de mulher que não se realizou.

Eu fiquei em um estado de quase depressão! Uma sensação desesperadora, eu não via para onde correr eu sentia me sem ânimo ou sem forças para aos 43 anos descobrir o que eu queria para sentir me realizada. E eu naquele momento estava acreditando que aquela situação, que estava vivendo era por que eu nunca tive realmente clareza do que queria da minha vida profissional e que esse era o motivo da minha vida estar naquele caos. Eu passei acreditar que não era pra mim realizar me profissionalmente, um sentimento de que eu era pequena e desamparada.

QUANDO e COMO começou a mudança?

Naquela época eu não sabia e nunca tinha escutado sobre autoconhecimento e sentia muita vergonha de quem eu me tornei e da minha situação, diante do meu marido, dos meus filhos, amigos e familiares.

E eu me lembro uma noite enquanto eu ouvia a música “sonda me” e via pela janela a neve cair eu chorei muito, lavei a alma de tanto chorar, mas de alguma forma aquela música e cenário me consolou.

E quando tudo está dando errado na nossa vida, o que mais queremos é que uma mágica aconteça e a tendência é colocarmos a culpa em alguém ou em alguma situação e pior focar mais e mais naquela situação ruim, focar no problema.

Depois daquela noite de muito choro, no café da manhã eu ouvi do meu marido, que ele já esforçava muito para fazer bem o papel de meu marido, mas não era da competência dele ser o realizador dos meus sonhos. Ele tinha razão, apesar dessa verdade ter doido muito.

E depois disso, eu fui percebendo que não era bem assim. Eu verdadeiramente acredito que somos um projeto de vida e que todo projeto foi feito, idealizado para dar certo. Então, eu pensava, se eu sou um projeto de vida, eu nasci para dar certo e não para dar errado. Neste momento eu comecei a perceber que o meu olhar estava no lugar errado, que o meu foco também estava errado.

Foi aí que uma brasileira que conheci me perguntou: você é coach? Eu respondi: eu não, e nem sei o que é isso. E ela disse: você deveria saber, pois você tem perfil de uma coach, é tão empática, parece ver a vida de uma maneira leve, que eu sem conhecer você eu tenho vontade de contar toda a minha vida para você. Você deveria procurar saber o que é coaching.

E não parou por aí…. No outro dia ela me ligou e marcamos dela me levar a uma sessão de coaching que ela teria. Ela também disponibilizou todas as ferramentas que tinha e foi me explicando tudo. Me levou a biblioteca pública da cidade fez meu cadastro e me mostrou vários vídeos do coach Antony Robbins.

Depois disso os meus dias e noites eram assistir e ler tudo o que esse coach dizia e fazia. Passei a ler mais e mais sobre esse método. E com isso uma chama em mim voltou a acender. Eu comecei a ver novas possibilidades e as respostas de tantas perguntas que eu tinha começaram a surgir uma a uma.

Bem, aí veio a grande pergunta: como eu mudo? O que eu realmente preciso fazer? O que precisa acontecer agora para que eu possa me sentir realizada? Eu não sei se isso já aconteceu com você, mas eu agora tinha na mesa várias peças eu não sabia como montar aquele quebra cabeça que era as minhas realizações. Só que eu ainda tinha um medo, depois de tantas tentativas e resultados frustrantes, vinha a ideia que aquilo também não seria pra mim.

E AGORA? O que fiz com o que descobri?

Aos 43 anos o que eu iria fazer com todas aquelas informações?

Então, me via a pergunta o que aquela amiga tinha me feito: você é coach?

Eu então percebi que existia alguma coisa mais profunda e que me parava sempre. Eu comecei a reconhecer que eu tinha pensamentos que eram recorrentes de não acreditar em mim mesma, pensamento do tipo: “isso não é pra mim” e que sempre me colocava em um ciclo vicioso de fracassos.

E mesmo com tantas informações eu não encontrei nada que me ajudasse a construir com clareza o caminho que eu queria daqui pra frente. Todo aquele conhecimento não estava sendo suficiente. O que eu decidi fazer? Passar por um processo de coaching, procurei por um coach e fui em busca do autoconhecimento para que eu saísse daquela situação. E o que eu queria na verdade é que ele dissesse a mim todas as respostas que eu não tinha. E pode ser que, hoje você também tem procurado na sua vida por uma pessoa que dê a você todas as respostas dos seus questionamentos. E é o que acontece muitas vezes com as pessoas que me procuram até hoje.

Porém, uma coisa eu aprendi, no meu processo de coaching, que apenas eu posso dar a mim as respostas dos meus questionamentos, aprendi também que nem todas as vezes eu terei uma resposta. Mas se hoje você quer sentir se uma mulher realizada você também precisará compreender que está em você as suas respostas e não fora de você.

Então, eu criei um método. E neste método só funciona se você colocar em prática e assumir a responsabilidade pela sua vida. Não são os outros, é você!

Naquela época que fui procurar pelo o coaching eu ainda não tinha entendido isso. O que aconteceu? Meus problemas não foram resolvidos, mas eu passei a reconhecer melhor a mim mesma. E foi quando percebi que além do autoconhecimento faltava alguma coisa e eu passei a ter um desejo enorme de descobrir isso que faltava. Foi aí que tive a certeza de que eu iria ser uma coach, mas eu não sabia como eu iria fazer para ser essa nova profissional e deixar de ser bióloga. Naquele momento, deixar a minha carreira de mais de 20 anos de bióloga para ser coach era certo.

Eu queria na verdade desenvolver um método que ajudasse a pessoa, além de ter o autoconhecimento, ter a capacidade de construir ela mesmo o caminho que a levaria as suas realizações. E eu não tinha visto nada disso nas minhas pesquisas e nem mesmo no processo de coaching que eu fiz.

Eu mergulhei na busca por conhecimento, em livros, artigos, cursos e plena atenção a cada pessoa que eu atendia como coach. O processo acontecia comigo e com eles. E eu passei ser uma grande observadora da mente humana e as coisas iam acontecendo e o meu método foi criando forma nos meus atendimentos, treinamentos e o melhor de tudo dando resultados positivos.

Eu finalmente descobrir o segredo de como ajudar essas mulheres. Fui percebendo que o método funcionava e isso era nítido na transformação que acontecia com meus coachees e isso veio em forma de vários depoimentos que passei a receber. E muitas pessoas começaram a me procurar para entender como funcionava o meu método e outras pessoas me incentivava a ir para as redes sociais, fazer vídeos e divulgar o meu jeito de trabalhar, que realmente estava transformando vida de algumas pessoas. Eu fui percebendo que eu estava indo no caminho certo e estava ajudando a transformar vida das pessoas, principalmente mulheres a se sentirem realizadas e não tinha nada parecido, nas minhas pesquisas, com o meu jeito de ser e conduzir o processo.

Como eu AJUDO MULHERES a serem realizadas?

Eu comecei a observar que as mulheres que me procuravam sentiam frustradas ou perdidas focavam no lugar errado e isso me fez perceber que onde elas focavam expandia e que elas precisavam mudar o foco. Eu percebi também que elas precisariam reconhecer nelas que uma dor do passado (inconciente) promoveu pensamentos recorrentes representado em uma frase repetidamente falada que as impediam de ver o que realmente elas queriam para a vida delas.

Por isso eu digo que se você praticar o que eu ensino no meu método você irá aprender onde deve ser o seu foco e também que “frase” tem impedido você de sentir se uma pessoa realizada.

Você já parou para se perguntar por que você vive um ciclo vicioso de resultados insatisfatórios na sua vida? Parece que todas as suas tentativas são em vão e que não adianta a sua força de vontade, ao final tudo dá errado? Falta coragem, visão de como sair disso e muitas vezes sentimos que não temos controle da nossa vida. E realmente tem muitas coisas que não temos controle. Então onde tem sido o seu foco? Nas coisas que você controla ou nas que você não controla?

Então, deixa eu lhe dizer que o jeito que a maioria das pessoas tem buscado esse caminho de realizações é equivocado, e por isso não tem dado certo. A maioria das pessoas foca no que elas não controlam ou no que elas não querem. É assim que a maioria das pessoas faz. Ex.: “não quero ser gordo(a). O que realmente essa pessoa quer? Ser magra, e não, “não ser gorda”. A negação do que você não quer é o focar errado. Outra situação, focar no que você não controla é focar no obstáculo, e se você fizer isso será para o “obstáculo” que você vai se direcionar. Ex.: se você está na direção do carro, moto ou bike, se você focar no “muro”, “barranco”, “meio fio” é para lá que você irá.

Você precisa focar no caminho, na estrada, nas faixas. Assim você irá seguir ir para onde deseja chegar, em segurança.

Um dos grandes aprendizados que tive ao estudar a neurociência é que o nosso cérebro não reconhece ou entende a palavra não. Pode parecer estranho, mas tem muito sentido quando você compreender esses exemplos, que vou dar agora.

Vou pedir para você neste exato momento, não pensar em um fusca azul. O que vai acontecer? Você já está pensando no fusca azul. Veja que interessante, leia, por favor, a frase: não pise na grama. O que acontece? Você ou já está pisando na grama ou está com uma grande vontade de fazer isso.

Isso acontece porque quando você ouve ou lê “não” você ao mesmo tempo está ouvindo ou lendo o que vem em seguida, que é para onde toda a sua atenção vai. Frases como “não pise na grama”, “não quero ser gorda”, “não quero continuar perdida” surtem exatamente o efeito contrário, pois o seu cérebro entende o que vem depois como “pise na grama”, “quero ser gorda”, “quero continuar perdida”, ele não reconhece a palavra “não” que vem antes.

Então, você deve estar se perguntado: ok! Eu entendi, então como eu devo fazer? Quando você quiser dizer algo que realmente surta efeito utilize a frase já transformada e somente no sentido positivo, direto e imperativo, assim conseguirá o resultado que deseja.

Então, compreenda que inicialmente para você saber o que você quer: 1º observe os seus pensamentos; 2º questione esses seus pensamentos se eles são positivos ou negativos; 3º identifique suas frases de negação; 4º neutralize essas frases criando outra positiva.

Mas agora você deve estar me perguntando: ok, Ethel! Como eu faço isso na prática?

Toda vez que vier seus pensamentos verifique se eles são negativos, o que eles fazem você sentir? O pensamento vem de fotografias mentais que você criou das experiências que já teve na vida. E o que você vê determina o seu mundo. E esse mundo criado determina quem você é. E quem você é determina o que você faz. E o que você faz determina os seus resultados e que determina o mundo que você vê. E dessa maneira você pode estar vivendo em um ciclo vicioso. Então, a maneira que você vê cria o seu mundo. O cuidado que você deve ter é não deixar seus pensamentos virar sentimentos.

Resumindo:

  1. reconheça em você os seus pensamentos;
  2. reconheça o que seus pensamentos fazem você sentir;
  3. reconheça sua frase de negação;
  4. reconheça seu ciclo da realidade.

Agora você entendeu a importância de onde focarmos e a importância de identificar nossos pensamentos e sentimentos.

Boa sorte!!! E conte sempre comigo… para buscar a sua realização. É possível você ser uma mulher realizada!!!

Tudo isso fez sentido para você? Eu espero que sim.

Um grande abraço para você.